Já não me lembrava do cansativo que é ser mãe


Um mês depois do nascimento do baby Pedro escrevo pela primeira vez sobre esta dádiva que ainda nos deixa emocionados enquanto pais só de olhar para o seu rosto moreno e para os seus olhos brilhantes e sempre atentos. Não há realmente nada mais especial do que ser mãe, mas a verdade é que também não há nada que nos deixe tão esgotados e quase à beira da loucura de cansaço.

Tenho tanta inveja quando leio textos e comentários de mães que tiveram a sorte de ter um daqueles bebés super tranquilo que passa o dia e a noite a dormir, que nem chora para trocar a fralda nem para mamar e que basicamente vai para todo o lado com aquele ar de anjinho que não faz barulho nenhum. Queria tanto que os meus príncipes também fossem assim, mas calharam-me dois babies que sofrem imenso com cólicas e além disso não dão tréguas na hora de comer: religiosamente de duas em duas horas, seja noite ou seja dia... Ou seja, sobra muito pouco para dormir e muito menos de forma seguida e tranquila. Mas estou a fazer figas para que passe rápido esta fase, pois além de ser angustiante e frustrante para nós pais, também deve ser muito doloroso para eles...

Mas tirando todas estas noites mal dormidas e das olheiras e má cara com que andamos cá em casa, há momentos que nos deixam totalmente rendidos aos nossos príncipes e que nos fazem pensar: «vale a pena!». Quando ela lhe diz em tom carinhoso «é a mana, Pedro» ou «mamã deixa-me dar um beijinho ao mano» e lhe aperta as bochechas; ou quando ele ouve a voz dela e parece que a conhece desde sempre e olha para ela super concentrado, quase com ar de quem já a admira e ainda mal a consegue ver. Ou quando ela chega a casa do colégio e depois de o encher de beijos diz: «mamã deixa-me pegar no mano». Não há realmente nada que compense de melhor forma todos os momentos de carinho e cumplicidade entre eles e deles para connosco... e o saber que eles vão estar sempre juntos dá-me ainda mais a certeza de que fizemos bem em não deixar a baby Leonor como filha única.

Share:

0 comentários