domingo, 13 de novembro de 2016

Aquele momento em que percebes que estás a esticar a corda...



Sabem quando acumulam tarefas, desdobram-se em telefonemas, mensagens e e-mails, tentam ser empregadas do mês em vários trabalhos diferentes e ainda acreditam ser possível escrever uns posts à noite para o blog, dar leite aos miúdos, ir buscá-los à escola, fazer o jantar, dar-lhes banho, pô-los a dormir, acordar de duas em duas horas à noite para alimentar o baby e aproveitar esse momento para dar um jeito na cozinha ou lavar o chão?! Isto sem contar com as necessidades essenciais de qualquer pessoa e que incluem ter tempo para comer (mesmo que seja em frente ao computador); ir à casa de banho; tomar banho; vestir-me...

E de repente, uma noite, depois de tanta azáfama, tenho o primeiro sinal de cansaço: dou água morna ao Pedro quando achava que lhe tinha acrescentado leite...  

Outro dia, não sei se dos nervos, se da alimentação desregrada, acordo com a sensação de ter sido atropelada por um camião TIR e passo a manhã a vomitar...

Há umas semanas vejo uma menina no metro - possivelmente a ir para uma sessão de quimoterapia -, com o cabelo bem curtinho e uma cicatriz enorme em vez da sua pequenina sobrancelha e só me apetece chorar. Sinto que estou tão pouco com os meus príncipes, que aproveito tão pouco a sua saúde e boa disposição, a sua vontade de brincar e de me encher de mimos. 

E agora surgiu o terceiro sinal de alarme de que isto tem de parar: fui às compras, estou com os miúdos e o carro não arranca. O primeiro pensamento: «ups, foi-se a bateria». O segundo: «Oh não! Ontem pus gasolina sem chumbo 95, mas o que carro é a gasóleo...». 

Sorte das sortes... tenho os melhores pais do mundo que foram em meu socorro. Trocaram de carro comigo e ficaram à espera do reboque enquanto eu levava os miúdos para casa.

Resolução de quase final de ano: abrandar e adotar a máxima do slow living... é que mais vale ter menos uns euros na conta bancária, mas podes desfrutar dos meus príncipes do que andar nesta azáfama...




Sem comentários:

Enviar um comentário