sábado, 10 de dezembro de 2016

O pânico de voltar a engravidar


Depois de ter tido a sorte de ter dois babies lindos e cheios de saúde, confesso que neste momento um dos meus maiores receios é precisamente o de voltar a engravidar por 'acidente'...

Tantas vezes me lembro da obstetra me perguntar no dia em que o Pedro nasceu se queria fazer laqueação de trompas na cesariana e há momentos em que penso que «se calhar tinha sido melhor», pelo menos não vivia na incerteza constante de que um dia pode acontecer. 

Não há pílulas infalíveis e muito menos seres humanos 100% certos. Logo, a margem para erro existe. Um antibiótico que corta o efeito dos milagrosos comprimidos, uma noite em que estamos tão cansadas que acabamos por ir dormir sem a tomar ou um simples atraso...

Óbvio que se acontecesse iria ficar feliz e não optava por abortar, até porque a princesa Leonor não se cala com o «quero uma mana» e até já tem nome: «Joana». Mas o que é certo é que a saúde e a idade - as minhas, claro - já não as mesmas e com dois babies tão pequeninos - 3 anos e 9 meses - e a precisarem da tanta atenção, não é fácil ter coragem para embarcar na aventura de um terceiro filho. Isto para não falar das condições - ou falta delas - que o Estado oferece... e não falo apenas da parte financeira, dos abonos baixos ou inexistentes, falo sobretudo da dificuldade que é conseguir estar presente nas suas vidas... 

Quantos trabalhos é que deixam as mães ter trabalhos flexíveis? E quantos há que nem sequer querem que as mães usufruam da redução de horário durante o primeiro ano? E até aqueles em que sugerem que a mãe se despeça se não consegue trabalhar ao fim de semana porque não tem colégio para os filhos nesses dias? 

E isto já para não falar dos preços exorbitantes dos colégios privados, da falta de vagas nos públicos, sobretudo até aos três anos, e dos cortes no vencimento que se sofre se se usar esse direito que se chama assistência à família...

E ainda questionam a baixa taxa de natalidade?! Não percebo porquê... ou percebo bem demais.

Sem comentários:

Enviar um comentário